18 de janeiro de 2012

Grito do silêncio!


Silêncio... aquele que povoa as ruas desertas da mente, aquele que preenche de frio as almas abandonadas, aquele que atravessa indecentemente os corações solitários, aquele que se faz presente em todos os cantos para onde te olho, na ausência dos dias, das horas que correm desenfreadas pelas calçadas abaixo, sem travão, sem um pingo de vergonha... silêncio, aquele pedaço de gelo derretido  no canto da alma, esquecido e feito animal enrolado debaixo das memórias vivas, aquele que me nasce nas mãos e ao mesmo tempo me morre na boca... silêncio... se faz aqui, onde as aves douradas voavam pelos azuis do céu, deixando um rasto de amargura, um traço grosso como um rio que nasce e corre sem destino, e sem fim... silêncio, derramado nas horas de ponta de uns dedos nervosos que percorrem um corpo arrepiado pelo sentimento que me ferve nas veias, aquele que vive na lembrança dos sussurros proferidos ao ouvido, aquele que me faz alucinar de desejo... silêncio, aquele que me inunda de sangue o coração descompassado, batendo aceleradamente, aquele que de forma atroz se cola aos lábios quando me beijas, e me levas para outra dimensão... silêncio, aquele que se verte no vazio das minhas mãos cheias de saudades, do teu toque, da tua pele, do teu cheiro, agarrados ao meu corpo, à minha pele acetinada e alva de mulher, felina indomável... e no pranto nostálgico do ponteiro do relógio, ergue-se o silêncio da nossa música, distante no tempo e espaço, onde o presente fez uma curva para namorar o futuro... silêncio, silêncio... sorriem os olhos, apaixonados pelas palavras cantadas em notas coloridas numa pauta incolor ditada pelo coração... silêncio...o eco das vozes mudas de uma memória ancorada na alma, que vive dançando valsas com as palavras esquecidas e pintadas a carvão numa folha branca amarelecida pelo tempo... silêncio!...

12 comentários:

oral_muito_melhor_que_palavras disse...

Olá,

Muito diz o silêncio. . .

Continuo a ler . . .

João da Nova disse...

Gosto muito de prosa poetizada, dos jogos de palavras que nos “alimentam a alma”. E, sendo verdade que gosto de ter “espaço” para os meus pensamentos, também gosto de períodos sem “silencia”, em especial se a voz me disse algo ao coração.

Don Juan disse...

Muito agradavel o que você escreve

este seu " silêncio ".... é espetacular..Gostei

Beijo Joyce

Libertya... disse...

Ao ler-te, os pensamentos assaltam-me, os comentários igual, mas como sei que nem sempre faço sentido no meu discurso, apenas te deixo um
beijinho, silencioso...

Mas cá :)

Moi disse...

Oral,
Olá...

O silêncio pode dizer muito ou nada, depende de muita coisa...







Beijos

Moi disse...

João,
Obrigado pela visita e pelas palavras! Gosto de escrever prosa poetisada, com jogos de palavras, não imaginas o prazer com que o faço...




Beijo

Moi disse...

Don Juan,
Ainda bem que assim é, gosto de promover boa leitura. E é sempre bom saber o que os leitores acham do que escrevo.







Beijos

Moi disse...

Libertya,
O sentido aqui é de quem lê, de quem deixa o seu sentido... portanto, da próxima vez que algo te assaltar a mente, escreve! Tenho a certeza que fará todo o sentido! :))




Agradeço o beijo... leva outro meu

Nilson Barcelli disse...

"silêncio, derramado nas horas de ponta de uns dedos nervosos que percorrem um corpo arrepiado pelo sentimento que me ferve nas veias, aquele que vive na lembrança dos sussurros proferidos ao ouvido, aquele que me faz alucinar de desejo... "
Gosto destes silêncios... de outros, nem por isso. Mas adoro esta tua faceta de poeta. Conseguiste um excelente naco de prosa poética.
Tens talento para dar e vender, minha querida amiga Moi.
Beijo.

Moi disse...

Nilson,
Assim, fico sem jeito para te responder. Obrigado!
Um elogio de um poeta tem sempre um sabor diferente. :-)






Beijos

epee disse...

Já provei de muitos silêncios. Uns de conforto, outros nem tanto, uns amargos, outros doces. E já li muito sobre o silêncio, mesmo quando não constava coisa alguma na folha de papel em branco... mas nada se compara à linguagem que você, em silêncio, nos convida a conhecer.

¬
Bom fim de semana, Moi.

Moi disse...

epee,
Saudades da tua presença por aqui...
Lisonjeada com o teu elogio!






Beijinhos :-)