14 de dezembro de 2012

Foi (as)sim!

Foi sem chão, sem tecto, sem amarras, sem lugar ou espaço que do desconhecido surgiste, quase um meio segredo, quase uma meia verdade. E foi aos poucos nascendo a vontade de te destapar a alma, pura, escondida bem lá no fundo, onde se guardam tesouros, que se oferecem a poucos. As noites perambulam nuas de si e cheias de armadilhas, e tu vagueias no meio da imensidão do negro manto estrelado, como um vulto esguio nas sombras da lua. Soberana, rainha da noite, que ilumina a solidão que circula entre o frio de inverno e as árvores despidas. Foi assim... no meio do nada que se cristalizou o sentimento profundo que me acalenta a alma só. Trazes nas mãos o cheiro do sexo satisfeito, o apelo ao renascer de novo de cada vez que o mundo se apaga entre as tuas mãos, de cada vez que o mundo sente o fervor de energia libertada em segundos perfeitos de pura magia. Caminho e sinto... os arrepios na pele da brisa gélida que me rodeia, misturados com o calor do fogo que me incendeia o olhar, me queima as entranhas numa descoberta lenta de te ser. Foi liberdade renascida! E de cada vez se solta mais um grilhão do passado embrulhado em pó, amarrotado pelo tempo, e arrumado nas prateleiras cimeiras, onde não se chega todos as dias, nem deseja chegar, onde se faz silêncio e jazem os fantasmas empoeirados. Reza a história, era mais um capítulo acabado, concluído, e virado de página, onde as letras ganharam vida ao sabor das emoções que governaram e comandaram o destino daqueles dias. Foi assim! Onde do sangue quente se extraiu mais um veneno tragado em goladas gulosas de quem deseja engolir a vida de uma só vez. Caminhas novamente... em busca de mais uma paragem, no tempo, no espaço, sem chão e sem amarras, num abandono total à profundidade de te amar sempre mais...

10 comentários:

Lynce disse...

Tive de ler em voz alta e juro que lendo rápido e com a cadência certa, isto ainda causou mais impacto.
Beijinhos, queridona!

opusdesiderium disse...

Quantas vezes se faz urgente sermos catalisadores, de intentos desejados.
fala-se a mesma linguagem, em contornos deambulantes, com ambos os corpo em desalinho... mas nem sempre se ouve o eco da anuência..mas o ponto de encontro está lá.!
Talvez por medo.... ou, por pudor, que mesmo não se tendo, tememos que ainda assim, seja rejeitado...
E depois…ficam tantas verdades por contar, e cada uma faminta da outra.

***** é muito pouco. Divinal [sem exagero]

1Beijo e bom FDS

Moi disse...

Lynce,
Tentei fazer o mesmo que tu, mas o efeito foi o mesmo. Se calhar porque as palavras são minhas.
Obrigado!







Beijo

Moi disse...

Opus,
Fiquei tão invaidecida com o teu comentário que não tenho palavras para agradecer o comentário. Não sei se será tanto, mas muito obrigado!


Quantas verdades deixamos no canto da boca por pronunciar... imensas, mesmo quando tentamos dar o máximo de nós!






Beijo grande em TI :)

Nilson Barcelli disse...

É quase sempre do meio do nada que surgem os grandes sentimentos.

Magnífico texto. A excelência mora nas tuas palavras.

Querida amiga, tem um bom fim de semana e um Bom Natal.

Beijo.

Malu Silva disse...

Amiga, querida!!!
Lembro-me que conheci aquele seu outro espaço que tamto amo, mas que está paradinho... talvez em 2013 se reabra... Faz anos que já nos comunicamos, sabia? E que em 2013 possamos continuar trocando essas belas emoções.
Um grande abraço e super FESTAS para você e a todos os seus...

rui disse...

Feliz Natal..amiga
Continua com estes textos com este amor porque tudo aqui é bonito...
tudo.....fica feliz e que tenhas um maravilhoso 2013
xau.... um beijo
Rui

Moi disse...

Nilson,
Muito obrigado pela passagem!
Obrigado pelas palavras... têm sempre um sabor diferente, quando é alguém que escreve como tu!



Beijocas em ti, grande poeta!

Moi disse...

Malu,
É verdade!
Foste das minhas primeiras seguidoras... vai fazer 3 anos aquele espaço que falas!
É sempre com imenso gosto que te recebo aqui, com carinho... quem sabe um dia atravesso o Atlântico e a gente se encontra!!!





Beijo grande
E que 2013 seja um ano excelente para ambas, continuando a trocar emoções...

Moi disse...

Rui,
A sinceridade das tuas palavras é o suficiente para descrever numa palavra o que sentes. Sei que gostas do que escrevo...






Beijo
Que 2013 te traga tudo de bom!